A maior parte do PIB da Amazônia vem do setor de serviços

A agropecuária contribuição com apenas 10% do PIB da região

Por redação

Um estudo sobre a economia da Amazônia Legal revela que, ao contrário da crença popular de que o agronegócio seria o principal responsável pela geração de riqueza na região, é o setor de serviços que detém a maior parte do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2019, o PIB Real da Amazônia Legal foi de R$ 650 bilhões, representando 8,8% do PIB total do Brasil. Desse montante, o setor de serviços contribuiu com significativos 36%, equivalente a R$232 bilhões.

O PIB Nominal, que reflete os preços correntes no ano em que os produtos finais foram produzidos e comercializados, mostra uma distribuição econômica diversificada. A administração pública e a indústria representam 21% do PIB, somando R$138 bilhões e R$137 bilhões, respectivamente. Contrariando as expectativas, a agropecuária, frequentemente vista como a espinha dorsal da economia regional, contribuiu com apenas 10,3% para o PIB, ou seja, R$66 bilhões.

Este panorama desafia a percepção comum e indica uma complexidade econômica maior na Amazônia Legal, sublinhando a importância do setor de serviços na região. O crescimento deste setor sugere um diversificado mercado de trabalho e a possibilidade de novas políticas de desenvolvimento focadas na sustentabilidade e na diversificação econômica.

A revelação faz parte do estudo “Fatos da Amazônia: Socioeconomia”, que concentra os principais dados e achados do projeto Amazônia 2030, uma iniciativa de pesquisadores brasileiros em prol do desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Sobre o Amazônia 2030 Como desenvolver a Amazônia, aproveitando de forma sustentável os recursos naturais? Para responder a essa pergunta, quatro reconhecidas organizações de pesquisa brasileiras se juntaram para fazer um plano de ações para a Amazônia dar um salto de desenvolvimento humano e econômico preservando seus recursos naturais até 2030. Trata-se do projeto Amazônia 2030, uma iniciativa conjunta do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e do Centro de Empreendedorismo da Amazônia, ambos situados em Belém, com a Climate Policy Initiative (CPI) e o Departamento de Economia da PUC-Rio.. Pesquisadores têm gerado conhecimento a partir das experiências dos povos da floresta, empresários, empreendedores e agentes públicos. 

 

Foto: Hay Dmitriy/Depositphotos

Coalizão Verde é a união dos portais de notícias 1 Papo RetoNeo Mondo e O Mundo que Queremos com o objetivo de maximizar os esforços na cobertura de temas ligados à agenda ESG

 

Compartilhe este post

outras matérias