Pecuária sustentável: estudo inédito faz diagnóstico de barreiras e mostra caminhos para superá-las

Cadeia da carne tem sofrido pressão da sociedade civil e dos mercados para se desassociar do desmatamento. Essa é tanto um desafio quanto uma oportunidade

Com um rebanho de mais de 224 milhões de cabeças de gado, o Brasil é o maior exportador de carne bovina do mundo. A possibilidade de atrelar ganhos de produtividade e renda a aspectos socioambientais torna a cadeia da carne fundamental no processo de transição para uma economia inclusiva e sustentável. Tão grande quanto a oportunidade, contudo, é o desafio de colocá-la em prática. É o que mostra o estudo inédito “Sustentabilidade na cadeia da carne: caminhos para o Brasil e os aprendizados do P4F”, que acaba de ser lançado pela Agroicone e pelo Partnerships for Forests (P4F).

Pressionada pelos mercados e a tomar ações de transparência e sustentabilidade, a cadeia produtiva da carne brasileira tem se adaptado, principalmente como a adoção de tecnologias e de boas práticas agropecuárias, cujos resultados já começam a se tornar visíveis, tanto para o meio ambiente quanto para o produtor rural. Uma análise dos últimos cinco anos mostra um aumento relevante de produtividade, possivelmente por conta de um melhor manejo, que permite abater um boi em menor tempo e com maior peso. Isso também significa mais gado em menos espaço, o que diminui a pressão por abertura de novas áreas para pastagens, contribuindo para a redução do desmatamento.

No entanto, apesar dos ganhos evidentes, a difusão das boas práticas para os pecuaristas ainda é um desafio. “O ‘pecuarista’ é composto por um  público heterogêneo, que tende a ser avesso ao risco”, explica Gustavo Dantas, um dos pesquisadores do trabalho. Ele destaca que a adoção de boas práticas agropecuárias é uma decisão que parte do produtor rural, geralmente com razões estritamente econômicas. “É necessário, portanto, um conjunto de instrumentos e incentivos. Ainda existe uma barreira de acesso do produtor rural a esses instrumentos, além de uma  dispersão entre os atores, que não atuam de forma conectada”.

Além do diagnóstico, o trabalho avaliou as ações e projetos apoiados pelo P4F em prol de uma cadeia da carne sustentável. A homogeneização normativa e de processos de monitoramento de desmatamento, metodologias de mensuração de carbono na atividade pecuária e apoio a instrumentos de rastreabilidade e monitoramento são algumas dessas ações.

Os pesquisadores também propõem estratégias para enfrentar os principais desafios mapeados, entre eles: dar escala a iniciativas e ações de sustentabilidade produtiva, superar as limitações de instrumentos de pagamento por serviços ambientais e certificações, além de aprimorar a rastreabilidade e o monitoramento do gado, especialmente das cadeias indiretas. Como soluções, respectivamente: prover apoio técnico para que produtores rurais adotem boas práticas agropecuárias; auxiliar a cadeia no fortalecimento desses instrumentos como parte dos mecanismos de fidelização dos pecuaristas; e apoiar uma política nacional de rastreabilidade individual, especialmente em municípios com alto risco socioambiental.

 Conheça todos os desafios e estratégias acessando o trabalho completo.

Agroicone

A Agroicone é uma organização que gera conhecimento e soluções para transformar a agropecuária brasileira diante dos desafios globais do desenvolvimento sustentável. Atua em cinco áreas estratégicas: i) comércio internacional e temas globais; ii) sustentabilidade e inteligência territorial; iii) políticas públicas; iv) negócios, mercados e financiamento; e v) tecnologias em cadeias agro. A Agroicone é formada por uma equipe multidisciplinar, com vasta competência nas áreas econômica, regulatória/jurídica, territorial, socioambiental e de comunicação. Mais informações: www.agroicone.com.br 

P4F

O Partnerships for Forests é um programa financiado pelo governo do Reino Unido por meio do Departamento de Desenvolvimento, Negócios Estrangeiros e Commonwealth (Foreign, Commonwealth & Development Office, FCDO). O Programa visa acelerar iniciativas nas quais o setor privado, o setor público e a sociedade civil promovem o desenvolvimento econômico por meio do uso sustentável da terra e a redução do desmatamento. Na América Latina, ele opera no Brasil, na Colômbia e no Peru, implementado pela Palladium e a Systemiq.

Foto: reprodução da capa do estudo/ divulgação 

Coalizão Verde é a união dos portais de notícias 1 Papo RetoNeo Mondo e O Mundo que Queremos com o objetivo de maximizar os esforços na cobertura de temas ligados à agenda ESG

Compartilhe este post

outras matérias