Comunicação para a transformação socioambiental

Os conservacionistas queimam diesel

Tela do Futurômetro mostra o resultado instantâneo da enquete no CBUC (foto: Alexandre Mansur) Um dado intrigante que surgiu no último Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, o CBUC, realizado em Florianópolis, entre 31 de julho e 2 de agosto. A organização do evento, da Fundação Grupo Boticário, fez uma pesquisa de opinião entre os participantes. É um grupo especial. Afinal, o congresso reuniu alguns dos principais ativistas e pesquisadores da conservação, além de centenas de profissionais dos órgãos de conservação e fiscalização de parques e reservas dos estados, além do ICMBio. A enquete apurou alguns hábitos pessoais, como uso de plásticos e envolvimento com a conservação para gerar um gráfico de respostas que indique as tendências daquele lugar: o Futurômetro. A enquete foi respondida por 448 dos participantes do IX CBUC. A maior parte das respostas revela, como era de se esperar, um alto grau de consciência ambiental e compromisso com práticas saudáveis de vida.

Uma das perguntas, porém, gerou um resultado interessante. Ao responderem a pergunta “Qual o tipo de combustível que você mais utiliza em seu veículo?”, cerca de 29% dos participantes revelaram usar combustíveis renováveis. Ou seja, responderam que usam etanol ou eletricidade ou que não usam veículo motorizado próprio. Isso significa que aproximadamente 70% da elite do conservacionismo brasileiro

queima combustível fóssil em seu veículo. Uma das pessoas responsáveis por auxiliar o preenchimento dos questionários disse que muitos dos respondentes disseram que usavam diesel. SUVs ou picapes a diesel, para ser mais exato. Pode ser que esse índice reflita a elevada proporção de agentes de parques ou de batalhões florestais, que andam de jipe por razões profissionais. Mas ainda assim é uma taxa alta de combustível fóssil.

Quem está envolvido com meio ambiente no Brasil pode ser dividido em dois grandes grupos: a turma das mudanças climáticas e a da conservação. Embora algumas pessoas e instituições atuem nos dois campos, são duas turmas bem diferentes. Os ativistas do clima muitas vezes vêm da área de negócios, vários trabalham em empresas. É comum encontrar quem têm formação em física ou alguma outra ciência equivalente. Predominam os argumentos científicos e econômicos em seus discursos. Já a galera da conservação tem uma alma mais hippie. Um grande número vem da biologia, da engenharia florestal ou de áreas próximas. Falam do valor intrínseco, da beleza dos ecossistemas e da biodiversidade, e de como uma experiência emocionante numa reserva natural pode transformar nossa vida. Talvez essa diferença de perspectiva entre esses grupos ajude a explicar a resposta no CBUC. Ou talvez seja outro fator. Provavelmente, os dois grupos precisam conversar mais.

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

outras matérias